Visita do Mecanismo de Especialistas da ONU ao Brasil

De 29 de novembro a 8 de dezembro de 2023, especialistas da ONU visitaram quatro grandes cidades brasileiras para avaliar e documentar os impulsionadores e os impactos do racismo estrutural na aplicação da lei, incluindo casos de uso excessivo da força e outras violações dos direitos humanos contra pessoas de ascendência africana. Os especialistas visitaram a capital, Brasília, e as cidades de Salvador, na Bahia (29 a 1º de novembro), Fortaleza, no Ceará (1 a 2 de dezembro), São Paulo, SP (2 a 4 de dezembro) e Rio de Janeiro, RJ ( 5 a 8 de dezembro).

 

Com esta visita, os especialistas do EMLER têm a oportunidade de informar o sistema global de direitos humanos sobre os rostos, vozes e histórias por trás destas figuras, com testemunhos em primeira mão de sobreviventes e comunidades no terreno.

–Salimah Hankins

Com o apoio da Coligação Anti-racismo das Nações Unidas (UNARC) e dos seus membros e parceiros locais em cada cidade, os especialistas ouviram depoimentos de aproximadamente 108 pessoas diretamente impactadas em quatro cidades, realizadas sob a forma de audiências da ONU. A coligação e os seus parceiros locais planearam todos os aspectos das audiências da ONU antes do EMLER, incluindo a selecção e garantia dos locais para as audiências, o fornecimento de bebidas e alimentos, a criação da agenda, a selecção e preparação de todas as pessoas afectadas para os seus testemunhos e, finalmente, fomos capaz de apoiar 91 vítimas e familiares das vítimas com estipêndios e ajuda financeira para transporte. Também fornecemos segurança especializada às pessoas presentes e apoio psicológico/emocional, o que foi especialmente crítico, pois era muito importante para a UNARC que a visita não traumatizasse novamente os indivíduos que prestavam os seus testemunhos.

 

Esperamos que esta visita seja a base para uma mudança política substancial para as instituições de segurança brasileiras.

 Maria José Menezes

CRONOGRAMA DE VISITA NO BRASIL

Linha do tempo Descrição
Abril - novembro de 2023:
Reuniões mensais organizadas pela UNARC com organizações, ativistas e partes interessadas brasileiras para discutir coletivamente os aspectos logísticos da visita.
Julho - setembro de 2023

 Chamada EMLER para contribuições sobre visita ao Brasil (clique aqui para ver o conteúdo do convite à apresentação de contribuições).

13 de novembro de 2023:

Divulgação da assessoria de imprensa internacional UNARC e CND (Coalizão Negra por Direitos) (acesse aqui)

27 de novembro a 8 de dezembro

27 - 28 - EMLER em Brasília, DF  

29 - Audiência da ONU com pessoas diretamente impactadas em Salvador, Bahia.

2 - Audiência da ONU com pessoas diretamente impactadas em Fortaleza, Ceará.

3 - Audiência da ONU com pessoas diretamente impactadas em São Paulo, SP.

5 - Audiência da ONU com pessoas diretamente impactadas em Rio de Janeiro, RJ.

28 de novembro

Treinamento de segurança organizado pela UNARC e pela empresa de segurança contratada,  AJAKA Segurança Especializada Ltda, uma empresa brasileira liderada por negros focada em fornecer segurança a grupos socialmente minorizados. 

29 de novembro a 5 de dezembro
O papel da UNARC durante a visita. Salimah Hankins, Nayara Khaly, Maria José Menezes (representante da Coalizão Negra por Direitos) e os agentes de Ajaka viajaram para as quatro cidades onde o Mecanismo de Especialistas se reuniu com a sociedade civil.
8 de dezembro

Comunicado da EMLER sobre a visita (baixe em português aqui/ acesse em inglês aqui). Encontre a postagem do UN X (antigo Twitter) sobre a visita aqui e aqui.

18 de dezembro

UNARC e Coalizão Negra por Direitos Press Release (Inglês) aqui/ Português aqui).

  • RELATÓRIO DE VISITA EMLER BRASIL
  • RELATÓRIO DE VISITA UNARC BRASIL
  • DOCUMENTÁRIO DE VISITA AO BRASIL

O QUE ESTÁ VINDO EM BREVE?

Mecanismo Internacional de Peritos Independentes

Mecanismo Internacional de Peritos Independentes

O EMLER é um mecanismo das Nações Unidas criado em 2021 pelo Conselho de Direitos Humanos para focar especificamente na “promoção e proteção dos direitos humanos e liberdades fundamentais de africanos e de afrodescendentes contra o uso excessivo da força e outras violações dos direitos humanos por agentes da lei por meio de mudanças transformadoras para justiça e igualdade racial”.

O Mecanismo de Especialistas das Nações Unidas para Avançar a Justiça Racial e a Igualdade na Aplicação da Lei
O Mecanismo de Especialistas das Nações Unidas para Avançar a Justiça Racial e a Igualdade na Aplicação da Lei

Conheça nossa equipe de visita ao Brasil

Nayara Khaly Silva Sanfo

Nayara Khaly Silva Sanfo (ela/ela) é uma mulher afro-brasileira de ascendência marfinense que mora em São Paulo, Brasil. Atualmente é mestranda em Relações Internacionais pela Universidade Federal do ABC (UFABC) e graduada em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). 

Nayara está engajada na pesquisa acadêmica sobre direitos migratórios e no ativismo pela justiça social através das interseccionalidades de gênero e raça na América do Sul.  A sua jornada profissional centra-se na educação, na elaboração de políticas através de uma abordagem decolonial e em instituições internacionais de direitos humanos. 

 

Atua há oito anos com educação de crianças e adolescentes, através do Núcleo de Estudo do Samba (UNESP), do Grupo de Ativismo da Anistia Internacional na cidade de Franca e do Ensina Brasil (Ensinar para Todos Brasil). Tem também experiência como intérprete inglês<>português, tendo interpretado por exemplo a autora feminista negra norte-americana Patricia Hill Collins. Além disso, atuou como assessora parlamentar na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo por muitos anos, atuando em um mandato centrado nas questões de gênero e raça como fundamentos do pensamento político. Ela se juntou principalmente à Coalizão Anti-Racismo das Nações Unidas (UNARC) e ao Serviço Internacional para os Direitos Humanos (ISHR) como Consultora Fellow.

Nossa Equipe - UNARC Salimah Hankins

Salimah Hankins

Diretor para a Coalizão Antirracista da ONU (UNARC) onde ela apoia o engajamento de organizações em todo o mundo, que estão trabalhando na responsabilidade das Nações Unidas pelo racismo sistêmico e violência policial contra africanos e afrodescendentes. Salimah também é advogada e ex-organizadora comunitária com mais de 15 anos de experiência na área de direitos civis e humanos. Antes disso, ela atuou como Diretora Executiva da Rede de Direitos Humanos dos EUA (USHRN), uma organização não governamental que facilita o acesso de grupos de base às Nações Unidas e outros órgãos internacionais de direitos humanos.

Em 2020, Salimah liderou a criação de um evento virtual de cura e contação de histórias com as famílias de negros mortos pela polícia nos Estados Unidos, incluindo Michael Brown, Sandra Bland, Amaud Arbery, e outros. Além disso, em 2020, sob a liderança de Salimah, o USHRN trabalhou com a sociedade civil para levar o caso do assassinato de George Floyd às Nações Unidas, precursor da criação de um novo mecanismo da ONU, o Mecanismo especializado para promover a justiça racial e a igualdade na aplicação da lei (EMLER

Salimah produziu sete edições anuais de Relatórios de Direitos Humanos relatórios para USHRN e seus escritos foram apresentados em várias publicações, incluindo Revista Internacional de Educação em Direitos Humanos, Pobreza e Raça, e Texto social (Duque University Press). Ela começou sua carreira jurídica como associada da American Civil Liberties Union (ACLU) de Maryland, defendendo os direitos das comunidades de cor de baixa renda que vivem em moradias públicas de Baltimore. Mais recentemente, ela atuou como advogada sênior para serviços jurídicos comunitários em East Palo Alto, CA, onde trabalhou com grupos comunitários para garantir um fundo de habitação acessível no valor de $75 milhões como resultado de um acordo com o Facebook. Seu trabalho foi destaque em The Guardian,Financial Times, e várias outras publicações. Em 2022, Salimah foi convidada para palestrar no Fórum Mundial da UNESCO Contra o Racismo e a Discriminação na Cidade do México.

Salimah recebeu seu diploma de graduação da Northeastern University, onde estudou Direito Internacional e Política Comparada, e seu diploma de direito da Suffolk University Law School, ambos localizados em Boston, Massachusetts. Ela atuou como bolsista de direitos humanos no Urban Justice Center e foi selecionada para a bolsa Whitney M. Young na Columbia University. Ela é um membro licenciado do bar (legal) na Califórnia, Massachusetts e Washington, DC e tem sido um treinadora profissional certificada e professora de ioga RYT 200 para ativistas do BIPOC. Originária de Nova Orleans, Salimah também é uma cantora/compositora que lançará seu álbum de estreia em 2023.  

Nossa Equipe - UNARC Lamar Bailey

Lamar Bailey

Coordenadora da Coalizão da ONU Antirracismo (UNARC). Ativista e educadora afropanamense. Ela se formou no Baruch College (City University of New York) e atualmente está cursando um programa de mestrado em desenvolvimento e cooperação na Universidad Politécnica de Valencia, na Espanha. Além disso, ela se formou no Centro de Estudios Afrolatinoamericanos (ALARI) do Hutchins Center da Universidade de Harvard. 

No Panamá, ela foi membro da Afropanamian Youth Network e atualmente é membro do Voices of Afrodescendant Women in Panama (VOMAP) e do Afropanamian Forum. Ela participou de um programa de rádio semanal para promover a inclusão total dos afropanamenhos na narrativa nacional panamenha de identidade nacional, destacando as conquistas da juventude afropanamenha. Ela trabalhou como professora por 5 anos na Cidade do Panamá, ensinando História e Geografia Humana com foco em Direitos Humanos utilizando a Metodologia das Inteligências Múltiplas e uma abordagem de ensino inclusiva. Lamar é uma das co-diretoras do documentário Miss Panama, um pequeno documentário sobre sua mãe que foi a primeira negra senhorita panamá, discutindo temas de racismo, imperialismo, identidade nacional e a importância da comunidade. 

Enquanto morava em Valência, na Espanha, ela participou da criação da organização Uhuru, que é um coletivo de base que luta contra o racismo anti-negro e cria uma comunidade de negros, africanos, afrodescendentes e afro-europeus de todas as idades e origens. Além disso, ela faz parte da Equipe de Implementação por tDécada dos Afrodescendentes na Espanha 2015-2024.

Junte-se à nossa lista de discussão para obter informações sobre a visita aos EUA