Comentário da ACLU sobre as Nações Unidas sobre a coleta de dados de aplicação da lei e a falta de progresso nas mudanças transformadoras

o Mecanismo de Especialistas da ONU para o Avanço da Justiça Racial e Igualdade na Aplicação da Lei (EMLER) apresentou seu primeiro relatório hoje enfatizando a importância da coleta centralizada de dados sobre raça e outros dados demográficos na eliminação do racismo sistêmico no policiamento.

(Artigo disponível apenas em inglês.)

 

GENEBRA — Seguindo o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas resolução histórica de George Floyd Em julho passado, o Mecanismo de Especialistas das Nações Unidas para o Avanço da Justiça Racial e Igualdade na Aplicação da Lei (EMLER) apresentou seu primeiro relatório hoje enfatizando a importância da coleta centralizada de dados sobre raça e outros dados demográficos na eliminação do racismo sistêmico no policiamento.  

O conselho ouviu pela primeira vez dois representantes de comunidades diretamente impactadas que falaram do pódio, bem como grupos da sociedade civil, incluindo a Coalizão Anti-Racismo da ONU e a União Americana pelas Liberdades Civis, como parte de um diálogo em torno da liberação do EMLER relatório ee um novo relatório pelo Alto Comissariado para os Direitos Humanos, que observou a falta de progresso para enfrentar a violência policial e sistêmica globalmente, inclusive nos Estados Unidos, e enfatizou a necessidade urgente de mudanças transformadoras.

Collette Flanagan, fundadora e diretora do Mothers Against Police Brutality, cujo filho Clinton Allen foi baleado e morto por um policial de Dallas em 2013, foi um dos palestrantes representando os membros da comunidade diretamente impactados. Ela disse durante sua intervenção ao conselho:

“Se quisermos elevar os direitos humanos no policiamento, teremos que enfrentar três desafios: o uso da força letal, a doutrina judicial da imunidade qualificada e o tratamento de famílias e comunidades que sofrem de discriminação racial, brutalidade policial e execuções extrajudiciais. .”

Jamil Dakwar, diretor do Programa de Direitos Humanos da ACLU, apresentou um vídeo e depoimento escrito como parte do diálogo e teve a seguinte reação:

“Concordamos com o relatório das Nações Unidas: a coleta de dados não é uma panacéia para acabar com o racismo sistêmico, mas é uma ferramenta fundamental para nos ajudar a entender até que ponto as comunidades negras e pardas são alvo e desproporcionalmente impactadas pela violência policial. Os Estados Unidos abrigam mais de 18.000 agências de aplicação da lei e está claro que os atuais requisitos de coleta de dados falharam. O ônus não deve recair sobre as vítimas, comunidades impactadas e meios de comunicação para documentar e coletar dados sobre práticas e abusos de policiamento. Para ser claro: a solução envolve a transferência de recursos para apoiar alternativas de afirmação da vida ao policiamento, responsabilidade significativa e monitoramento rigoroso e aplicação de leis e políticas de coleta de dados, não mais policiais nas ruas”.

A submissão da ACLU à ONU sobre a falta de coleta adequada de dados sobre policiamento está disponível aqui.

Aqui está o vídeo da reunião do conselho de hoje e diálogo interativo com EMLER que começa no minuto 1:01:34.

Compartilhe com os contatos!

Promover a responsabilidade

Siga nossos passos e receba as últimas notícias de nossos ativistas, mecanismos e ações.