À medida que a ONU luta contra o racismo sistêmico e a aplicação da lei, dados desagregados completos e confiáveis são essenciais para as reformas

Mais de dois anos desde o terrível assassinato de George Floyd, os órgãos de direitos humanos da ONU alertam sobre a falta de progresso no combate à violência policial e ao racismo sistêmico globalmente. Apelamos ao Conselho de Direitos Humanos e aos Estados para que combatam o racismo arraigado e sistêmico contra africanos e afrodescendentes.

Em 3 de outubro, os Estados no Conselho de Direitos Humanos da ONU, a Alta Comissária interina para os Direitos Humanos, a presidente do Mecanismo de Especialistas para o Avanço da Justiça Racial e Igualdade no Contexto da Aplicação da Lei (EMLER), Collette Flanagan (Estados Unidos) de Mothers Contra a Brutalidade Policial (MAPB) cujo filho foi morto pela polícia em 2013; e Jurema Werneck (Brasil) diretora da Anistia Internacional no Brasil participaram de debate sobre o racismo sistêmico e o uso excessivo da força pelas agências de aplicação da lei contra africanos e afrodescendentes.

O debate seguiu-se à publicação quase simultânea de dois relatórios analisando o racismo sistêmico e os padrões de uso excessivo da força pela aplicação da lei contra africanos e afrodescendentes, um por EMLER e o outro pelo Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Os relatórios confirmaram as conclusões da Alta Comissária em seu relatório ao Conselho em junho de 2021: Os Estados continuam negando ou não reconhecem a existência e o impacto do racismo sistêmico, especialmente o racismo institucional.

O relatório da EMLER, o primeiro desde a sua criação em 2021, destacou que as mortes de africanos e afrodescendentes nas mãos da aplicação da lei continuam ocorrendo em muitos países com pouca ou nenhuma responsabilidade. Especialistas apontaram a coleta de dados desagregados por raça ou origem étnica como uma ferramenta essencial para monitorar as interações entre comunidades de africanos e afrodescendentes e autoridades policiais, notando a intensa relutância de vários Estados – particularmente na Europa – em adotar esta prática.

O relatório do ACNUDH concentrou-se em desenvolvimentos e iniciativas empreendidas por Estados e outros para tratar de manifestações de racismo sistêmico contra africanos e afrodescendentes. O relatório também traz atualizações sobre os sete casos emblemáticos mencionados no relatório de 2021 do ACNUDH, que ilustram padrões e práticas que são barreiras à mudança estrutural e institucional. Os casos são: George Floyd (Estados Unidos), Adama Traoré (França), Luana Barbosa dos Reis Santos (Brasil), Kevin Clarke (Reino Unido), Breonna Taylor (Estados Unidos), Janner García Palomino (Colômbia) and João Pedro Mattos Pinto (Brasil) ).

Por um lado, o relatório reconhece que as iniciativas dos Estados são insuficientes, mas depois diz que os Estados mostram 'uma vontade de tomar medidas concretas para combater a discriminação racial'. A visão da coalizão antirracismo da ONU (UNARC) é que os Estados protegem ativamente os interesses das instituições policiais para manter o status quo que visa oprimir os africanos e os afrodescendentes.

'O silêncio não pode ser uma opção', disse Jurema Werneck em seu discurso de encerramento, antes de instar os Estados membros a honrar seus compromissos internacionais de direitos humanos e intensificar seus esforços para enfrentar o racismo estrutural e sistêmico na aplicação da lei.

'Esta é uma luta global que levará mais países a reunir coragem para se juntar à luta contra a brutalidade policial', disse Colette Flanagan, que também pediu uma nova convenção internacional sobre 'justiça, direitos humanos e policiamento', argumentando que isso poderia colocar em foco 'as maneiras pelas quais os direitos humanos internacionalmente reconhecidos são subvertidos pela polícia, particularmente os direitos das pessoas afrodescendentes'.

Os membros da UNARC dão as boas-vindas à discussão no Conselho de Direitos Humanos. Tanto os relatórios quanto o conteúdo do debate de hoje destacam a necessidade urgente de tomar medidas imediatas e vigorosas para abordar tanto a cultura da impunidade quanto as leis e políticas que permitem que as agências de aplicação da lei usem força excessiva em comunidades de africanos e afrodescendentes, e também para enfrentar as causas profundas dessa violência e a falta de responsabilização que a segue sistematicamente, principalmente a dependência excessiva do policiamento, bem como os legados e o impacto do racismo sistêmico.

“Toda vez que as instituições policiais são autorizadas a usar força excessiva contra africanos e afrodescendentes é um lembrete das barreiras sistêmicas e extremas com as quais muitos governos continuam a sobrecarregar esses grupos”, disse Lamar Bailey do Serviço Internacional de Direitos Humanos (ISHR). “Os governos devem trabalhar para derrubar essas barreiras e combater as injustiças históricas que estão em seu cerne. Os membros do Conselho devem dar o exemplo: devem adotar imediatamente as recomendações dos especialistas para transformar suas práticas de aplicação da lei e garantir que todos os seus cidadãos sejam tratados e cuidados igualmente.'

A Coalizão insta todos os estados a tomarem as medidas necessárias para revisar rapidamente e reformar significativamente suas políticas para impossibilitar futuros incidentes como os discutidos nos relatórios acima. Isso inclui, mas não se limita ao uso sistemático de dados desagregados por raça ao tentar entender e monitorar de perto os resultados das interações entre a aplicação da lei e as comunidades, incluindo africanos e afrodescendentes. Embora o policiamento abusivo não seja curado se os países tivessem uma coleta de dados mais abrangente, esses dados proporcionariam maior transparência ao público e responsabilização das agências de aplicação da lei.

Entendemos que, em muitos países, há uma reticência politicamente motivada em usar tais ferramentas. Acreditamos que este seja o caso porque vários Estados têm um incentivo para proteger as instituições de aplicação da lei; porque se beneficiam da subjugação dos africanos e dos afrodescendentes; e porque não desejam ver suas práticas destacadas no cenário nacional ou internacional, caso seus números precisos sejam revelados.

Apelamos ao Conselho de Direitos Humanos e a todos os Estados que estão genuinamente comprometidos com a proteção dos direitos humanos a apoiar e incentivar todos os esforços para combater o racismo enraizado e sistêmico que incentiva a violência contra africanos e afrodescendentes e que protege os perpetradores.

Leia o artigo no site do ISHR

Compartilhe com os contatos!

Deixe um comentário

Promover a responsabilidade

Siga nossos passos e receba as últimas notícias de nossos ativistas, mecanismos e ações.