Boletim Informativo – Dezembro 2023

Uma mensagem de Salimah Hankins, Diretora da UNARC

Caros amados membros da coalizão, amigos e comunidade.

É com o coração pesado e esperançoso que informo que deixarei meu cargo de diretor da UNARC no final de janeiro de 2024. Então, por que estou saindo? Saiba mais sobre isso e nossos planos de transição aqui.

Esperamos que você goste deste primeiro boletim informativo da UNARC e que seu conteúdo seja informativo sobre o importante trabalho que vocês, como coalizão, nos permitiram fazer e no qual apoiá-los.

Obrigado!

INSTANTÂNEO DO TRABALHO DA UNARC EM 2023

UNARC organiza seção de sociedade civil da visita da ONU EMLER ao Brasil

A UNARC acaba de concluir a organização da sociedade civil para uma visita bem-sucedida do EMLER ao Brasil, que terminou há pouco mais de duas semanas. De 27 de novembro a 8 de dezembro, o Mecanismo Internacional de Especialistas Independentes das Nações Unidas para Promover a Justiça Racial e a Igualdade no Contexto da Aplicação da Lei (EMLER) especialistas visitaram as cidades de Brasília, Salvador, Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro, reunindo-se com autoridades, sociedade civil e representantes de comunidades negras e afrodescendentes para ouvir depoimentos diretos e documentar as causas profundas e os efeitos do racismo sistêmico no policiamento em Brasil.

A UNARC e nossos parceiros locais organizaram os depoimentos, perante os especialistas do EMLER das Nações Unidas, de 108 pessoas diretamente impactadas em quatro cidades do Brasil. Veja o comunicado da UNARC e da Coalização Negra por Direitos aqui. Veja também a imprensa liberar publicado pela EMLER logo após a visita (também disponível em português). Veja as postagens da UNARC no Instagram aqui e fique ligado para mais atualizações sobre a visita ao Brasil.

UNARC organiza visita UN EMLERS aos EUA

De 24 de Abril a 5 de Maio, o mecanismo EMLER das Nações Unidas realizou a sua primeira visita de apuramento de factos aos Estados Unidos. Os especialistas visitaram Washington DC, Atlanta, Los Angeles, Chicago, Minneapolis e Nova York. Reuniram-se com funcionários do governo local e nacional, representantes das autoridades responsáveis pela aplicação da lei, organizações da sociedade civil, grupos de base e académicos, bem como vítimas da brutalidade policial e suas famílias.

Com o apoio da Coligação Anti-racismo das Nações Unidas (UNARC) e dos seus membros e parceiros locais em cada cidade, os especialistas ouviram testemunhos de 131 pessoas que são diretamente afetadas pela violência policial e pelo racismo sistémico.

O público ouvindo pessoas impactadas diretamente testemunhando no DuSable Black History Museum and Education Center em Chicago, IL.

Os Peritos apresentaram o seu relatório sobre a 54ª sessão do Conselho dos Direitos Humanos em Genebra, que incluía uma secção no final com uma lista dos nomes de todas as pessoas que testemunharam. Você pode ler o relatório aqui e visite nossa página de visita nos EUA aqui que será atualizado em breve.

📸: Pessoas diretamente impactadas levantando o punho em sinal de resistência na Minneapolis Urban League em Minneapolis, MN.

Evento paralelo ACLU e UNARC

📸: Flyer do evento paralelo organizado pela ACLU e UNARC

No dia 5 de outubro o ACLU e a UNARC co-organizaram um evento paralelo virtual para discutir dois relatórios EMLER, o relatório após a sua visita histórica aos Estados Unidos, bem como o seu relatório temático “Reimaginando o policiamento”.

Você perdeu? Você ainda pode ver o vídeo completo AQUI.

Evento Paralelo de Genebra

Migrantes Negros na Europa

A UNARC realiza um evento paralelo presencial em Genebra, Suíça, durante a 54ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos. Durante este evento, o público ouviu diretamente os migrantes negros na Europa, que discutiram as suas experiências pessoais com a migração, o que está a acontecer de forma mais ampla na sua região e que soluções as comunidades negras na Europa procuram. Os painelistas do evento foram Iki Yos, artista, performer e ativista antirracista caribenho, afrodiaspórico-transfronteiriço; Moisés Von Kallon, Presidente dos Sobreviventes de Aquário; e David Yambio, defensor da comunidade e porta-voz da ONG Refugiados na Líbia. No painel também estava a funcionária das Nações Unidas, Dra. Tracie Keesee, EMLER Especialista; e Abdoul Thioye, Chefe do Departamento de Estado de Direito, Igualdade e Não Discriminação, Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos. O moderador foi Lamar Bailey Karamañites, coordenador da coalizão da UNARC.

UNARC testemunha perante a ONU

Na 54ª sessão do Conselho de Direitos Humanos em Genebra, a coligação emitiu uma poderosa declaração conjunta durante o Diálogo Interativo Aprimorado EMLER/ACNUDH. A declaração foi feita pela bolsista da UNARC, Nayara Khaly Silva Sanfo.

Na declaração, a coligação lembrou aos Estados a agenda do Alto Comissário para uma mudança transformadora para a justiça e igualdade racial. Ao fazê-lo, instámos os Estados a desmilitarizarem a polícia, a acabarem com o perfilamento racial, a garantirem a utilização de uma abordagem decolonial e interacional no policiamento das instituições e a tomarem medidas no sentido da responsabilização e das reparações no contexto da aplicação da lei. Além disso, a coligação incentivou a ONU a manter espaços para que as pessoas de ascendência africana exponham os desafios e proponham soluções locais e globais, incluindo o mecanismo EMLER, que deverá ser renovado no próximo ano.

📸 Créditos: membros e funcionários da UNARC, Dayana Blanco da ILEX acción Juridica e Marcia Briggs em Genebra para participar do HRC 54. Da esquerda para a direita: Moises (Aquarius Supervivientes), Salma El Hosseiny (ISHR), Dayana Blanco (ILEX), Lamar Bailey (UNARC), Nayara Khaly (UNARC), Marcia Briggs (pessoa impactada do Reino Unido) e David Yambio (Refugiados da Líbia)

Evento Paralelo de Genebra

ALÉM DO POLICIAMENTO

Defensores das sociedades quilombolas discutem segurança e proteção a partir de uma perspectiva de liberdade negra

A UNARC conduziu um evento virtual proporcionando aos painelistas do mecanismo EMLER e ao ACNUDH, bem como aos participantes, um caminho a seguir com base nas experiências e perspectivas das pessoas no terreno. Em vez de reimaginar o policiamento, este evento procurou ouvir as sociedades quilombolas que tinham as suas próprias ideias sobre segurança e protecção a partir de uma perspectiva descolonial e centrada nos negros. Durante o evento, representantes das comunidades quilombolas da América Central e do Sul compartilharam suas opiniões sobre a segurança dos negros, destacando a sabedoria de seus ancestrais que resistiram e encontraram novas formas de viver em comunidade. Além disso, um defensor da América do Norte discutiu alternativas ao policiamento desejadas pelas comunidades negras no terreno. Os palestrantes abordaram questões como segurança, justiça e reciprocidade a partir de uma perspectiva comunitária, em vez de confiar em culturas impregnadas de anti-negritude.

CAMPANHAS PARA MEMBROS DA UNARC

A UNARC teve a oportunidade de fornecer subsídios no valor de $5.000 USD a cinco organizações membros da UNARC para apoiar as suas campanhas. Confira abaixo algumas dessas campanhas:

1.Coalizão Negra por Direitos (CND): (Brasil🇧🇷)

📸 Créditos: Foto#3 da campanha CND NÃO AO PERFILAMENTO RACIAL DE AFRODESCENDENTES NO BRASIL

Campanha da CND: NÃO AO PERFILAMENTO RACIAL DE AFRODESCENDENTES NO BRASIL: A CND realizou atividades de defesa de direitos, incluindo diálogos e apresentação das demandas do movimento negro aos poderes Executivo e Legislativo brasileiros.

Neste sentido, foi entregue aos decisores um documento contendo as prioridades de acção do governo para acabar com o racismo. Em outubro produziram a última nota técnica do projeto sobre o tema encarceramento da população negra.

 

2.Fundação Afroecuatoriana Azúcar:
(Equador🇪🇨):

A campanha VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA RACIAL E ESTATAL E DO RACISMO SISTÉMICO CONTRA OS AFRODESCENDIENTES NO EQUADOR (Visibilidade da violência racial e estatal, bem como do racismo sistêmico contra afrodescendentes no Equador) foi executado de julho a novembro de 2023. A equipe desenvolveu uma campanha nas redes sociais, bem como dois webinars sobre o tema do perfilamento racial no Equador. Além disso, forneceram o primeiro mapeamento dos casos de discriminação racial no Equador.

3.FETAEMA: Federação dos Trabalhadores Rurais e Agricultores Familiares do Estado
do Maranhão: (Brasil🇧🇷)

📸 Créditos: Flyer do evento paralelo presencial da FETAEMA no HRC54

A campanha FETAEMA desenvolveu uma campanha chamada O Impacto da Violência Policial no Direito à Saúde Mental de Pessoas Afrodescendentes que Vivem em Quilombos no Brasil. Neste contexto desenvolveram um local na rede Internet, mídia social presença em vários plataformas, um evento paralelo ao HRC 54, um webinar e um pequeno documentário.

Encontre o pequeno documentário aqui

4.Centro da Mulher Afroperuana (CEDEMUNEP) (Peru🇵🇪):

📸 Créditos: Postagem nas redes sociais da campanha PERFILANDO EL FUTURO - NO MÁS JÓVENES AFROPERUANOS EN LA MIRA DE LA LEY

A campanha PERFILANDO EL FUTURO – NO MÁS JÓVENES AFROPERUANOS EN LA MIRA DE LA LEY (Perfil do Futuro – chega de jovens afroperuanos no centro das atenções da lei) foi desenvolvido pelo CEDEMUNEP com o apoio da UNARC. A campanha criou uma série de folhetos, vídeos e material audiovisual para tornar visível e educar sobre o perfil racial no Peru.

Veja um de seus rolos de campanha AQUI

Obrigado aos nossos quase 100 membros organizacionais da UNARC pela sua consideração e compromisso com a libertação de todos os negros.

Obrigado a todos os nossos funcionários, empreiteiros e intérpretes pelo seu trabalho ao longo do ano. Obrigado ao ISHR (secretariado e patrocinador fiscal da UNARC) por toda a sua dedicação e trabalho árduo em nome deste movimento. Obrigado aos especialistas e funcionários do EMLER por trabalharem conosco para fornecer espaço para que as pessoas impactadas sejam ouvidas. E obrigado aos nossos financiadores da Open Society Foundation e da Ford Foundation pelo seu apoio durante estes tempos desafiadores.

Promover a responsabilidade

Siga nossos passos e receba as últimas notícias de nossos ativistas, mecanismos e ações.