Reino Unido: discriminação contra afrodescendentes é estrutural, institucional e sistêmica, dizem especialistas da ONU

Reino Unido: A discriminação contra afrodescendentes é estrutural, institucional e sistêmica, dizem especialistas da ONU.

LONDRES/GENEBRA (27 de janeiro de 2023) – O racismo no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte é estrutural, institucional e sistêmico, disseram hoje especialistas da ONU*, alertando que os afrodescendentes no país continuam enfrentando discriminação racial e erosão de seus direitos fundamentais.

“Temos sérias preocupações com a impunidade e o fracasso em abordar as disparidades raciais no sistema de justiça criminal, mortes sob custódia policial, condenações de 'empresas conjuntas' e a natureza desumanizadora da parada e revista (desnudada)”, o Grupo de Trabalho de Especialistas da ONU sobre afrodescendentes, disse em um comunicado ao final de uma visita oficial ao Reino Unido.

Os especialistas documentaram o “trauma” sentido por pessoas de ascendência africana que sofriam discriminação racial e injustiça no Reino Unido. “Uma mulher de ascendência africana que conhecemos durante nossa visita lamentou: 'isso vai acabar?'”, disseram eles.

Uma década de medidas de austeridade no Reino Unido exacerbou o racismo, a discriminação racial e outras formas de intolerância encontradas pelos afrodescendentes, o que teve um impacto adverso em seus direitos fundamentais, observaram os especialistas.

“Da perspectiva dos descendentes de africanos, o racismo no Reino Unido é estrutural, institucional e sistêmico”, disseram os especialistas.

Os especialistas apontaram que para os afrodescendentes, sua experiência com instituições estatais e públicas, o setor privado e a sociedade foi que perpetuou as hierarquias raciais. “Atos racializados visando pessoas de ascendência africana permaneceram firmes e a experiência é semelhante em diferentes partes do Reino Unido”, disseram os especialistas. “Eles são vítimas e não têm garantia de reparação efetiva por parte das autoridades ou do sistema de justiça”, disseram.

Acolhendo os esforços emergentes para reparar os legados do comércio e tráfico de africanos escravizados, o Grupo de Trabalho incentivou todas as partes interessadas, incluindo o governo, a fazer mais para garantir a reabilitação, restauração e reconciliação do estado com seu povo.

“Simplificar mecanismos de denúncia acessíveis, independentes e eficazes para lidar com o racismo, garantindo a responsabilização da polícia, garantias de julgamento justo para todas as pessoas e reparação para todas as pessoas afetadas pelo escândalo Windrush são imperativos” disse Catherine S. Namakula, Presidente do Grupo de Trabalho. “A austeridade que põe em risco os direitos fundamentais é um empreendimento caro para o Reino Unido”, disse ela.

O Grupo de Trabalho, que também incluía os especialistas em direitos humanos Barbara Reynolds e Dominique Day, visitou Londres, Birmingham, Manchester e Bristol.

Os especialistas apresentarão um relatório com suas conclusões e recomendações ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em setembro de 2023.

Grupo de Trabalho de Especialistas em Afrodescendentes foi criada em 25 de abril de 2002 pela então Comissão de Direitos Humanos, após a Conferência Mundial contra o Racismo realizada em Durban em 2001. É composta por cinco especialistas independentes: Sra. Catherine Namakula (Uganda) atual Presidente-Relatora; Sra. Barbara Reynolds (Guiana) atual vice-presidente; Sra. Dominique Day (Estados Unidos da América); e Sra. Miriam Ekiudoko (Hungria).


O Grupo de Trabalho faz parte do que é conhecido como o Procedimentos especiais do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas. Procedimentos Especiais, o maior corpo de especialistas independentes no sistema de Direitos Humanos das Nações Unidas, é o nome geral dos mecanismos independentes de investigação e monitoramento do Conselho. Os titulares de mandatos de Procedimentos Especiais são especialistas independentes em direitos humanos nomeados pelo Conselho de Direitos Humanos para tratar de situações específicas de países ou questões temáticas em todas as partes do mundo. Eles não são funcionários da ONU e são independentes de qualquer governo ou organização. Eles servem a título individual e não recebem salário pelo seu trabalho. 

Direitos Humanos da ONU, página do país – Reino Unido

Para consultas e solicitações de mídia entre em contato: Christina Saunders (+41766911399christina.saunders@un.org) ou escreva para ohchr-africandescent@un.org.

Para inquéritos da mídia relacionados a outros especialistas independentes da ONU, entre em contato com Maya Derouaz (maya.derouaz@un.org) ou Dharisha Indraguptha (dharisha.indraguptha@un.org)

 Siga as notícias relacionadas aos especialistas independentes em direitos humanos da ONU no Twitter: @UN_SPExperts.

Preocupado com o mundo em que vivemos?
Então LEVANTE-SE pelos direitos de alguém hoje.
#Sstandup4humanrights
e visite a página da web em 
http://www.standup4humanrights.org

Compartilhe com os contatos!

Deixe um comentário

Promover a responsabilidade

Siga nossos passos e receba as últimas notícias de nossos ativistas, mecanismos e ações.