Especialistas da ONU pedem novas abordagens para o policiamento nos Estados Unidos após as mortes de Keenan Anderson e Tire Nichols

Especialistas das Nações Unidas expressaram grande preocupação com a morte de Keenan Anderson em 3 de janeiro de 2023 nas mãos do Departamento de Polícia de Los Angeles e de Tire Nichols, depois que ele foi espancado pela polícia em Memphis, Tennessee, em 7 de janeiro de 2023.

GENEBRA (10 de fevereiro de 2023) – Especialistas das Nações Unidas expressaram grande preocupação com a morte de Keenan Anderson em 3 de janeiro de 2023 nas mãos do Departamento de Polícia de Los Angeles e de Tire Nichols, depois que ele foi espancado pela polícia em Memphis, Tennessee, em 7 de janeiro de 2023.

“As mortes brutais de Keenan Anderson e Tire Nichols são mais lembretes da urgência de agir”, disse Yvonne Mokgoro, presidente do Mecanismo internacional de especialistas independentes da ONU para promover a justiça e a igualdade racial no contexto da aplicação da lei.

Os especialistas buscaram informações detalhadas sobre os incidentes de Anderson e Nichols do Governo dos Estados Unidos, sobre as investigações em andamento e os regulamentos aplicáveis ao uso de armas menos letais em relação aos padrões de direitos humanos aplicáveis.

Em ambos os casos, os especialistas enfatizaram que a força usada parece ter violado as normas internacionais que protegem o direito à vida e proíbem a tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes. Também não está de acordo com os padrões estabelecidos sob o Código de Conduta das Nações Unidas para Agentes Policiais e a Princípios Básicos sobre o Uso da Força e Armas de Fogo por Agentes Policiais.

“Embora reconheçamos o papel de opções menos letais para reduzir o risco de morte ou lesão inerente à conduta policial, qualquer uso da força por agentes da lei deve ser guiado pelos princípios de legalidade, precaução, necessidade, proporcionalidade, não discriminação e responsabilidade”, disse Juan Mendez, membro do Mecanismo de Peritos.

“O uso de armas menos letais continua a suscitar sérias preocupações quando se trata da obrigação dos Estados de proteger o direito à vida e o direito de estar livre de tortura e outros maus-tratos. Essas armas podem causar morte, ferimentos graves e invalidez permanente”, observou Morris Tidball-Binz, relator especial sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias.

“Observamos que, em casos como esses, os policiais usam Tasers como um protocolo de rotina para incapacitar indivíduos não aderentes ou em crises de saúde mental, que muitas vezes não parecem representar um perigo grave para si ou para os outros. Continuamos muito preocupados com o uso excessivo de tasers na aplicação da lei, especialmente à luz de seu potencial inerente de uso indevido”, disse Mendez.

“A polícia e as autoridades têm responsabilidades especiais para proteger seus cidadãos e defender seus direitos”, disse Alice Jill Edwards, relatora especial da ONU sobre tortura e outros tratamentos ou punições cruéis, desumanos ou degradantes. “Quando essa função básica é ultrapassada pela violência ilegal e descontrolada, isso faz com que as pessoas comuns tenham medo de sua própria polícia. Somente soluções lideradas e projetadas pela comunidade funcionarão nessas circunstâncias.”

Respondendo à morte de Tire Nichols, os especialistas enfatizaram que, além de investigar, processar e punir efetivamente os perpetradores e fornecer reparação às vítimas e suas famílias, as autoridades dos EUA devem mostrar determinação em questionar e reformar uma cultura policial institucionalizada que permite a agressão criminal sob o disfarce de aplicação da lei e segurança pública.

“Pedimos às autoridades que assegurem responsabilidade e reparação imediatas”, disse Tracie Keesee, membro do Mecanismo de Peritos. “Embora observemos que no caso de Tire Nichols, cinco policiais foram acusados criminalmente e foram demitidos após uma investigação administrativa, as imagens horríveis de seu espancamento são um lembrete alarmante da necessidade urgente de abordagens genuinamente novas para a segurança no trânsito, paradas de trânsito e segurança pública de forma mais ampla”.

“Na sequência do convite do Governo dos Estados Unidos da América recebido em Dezembro último para visitar o país, o Mecanismo internacional de especialistas independentes da ONU para promover a justiça e a igualdade racial no contexto da aplicação da lei conduzirá uma missão oficial muito necessária aos EUA em abril de 2023. Vamos nos envolver com o governo e todas as partes interessadas relevantes para garantir que a brutalidade policial seja abordada com determinação e que as vítimas e suas famílias obtenham justiça”, disse Mokgoro.

FIM

Justiça Yvonne Mokgoro (África do Sul, Presidente), Dr. Tracie Keesee (Estados Unidos da América) e Prof. Juan Méndez (Argentina) foram nomeados pelo Presidente do Conselho de Direitos Humanos em dezembro de 2021 para atuar como especialistas independentes. O Mecanismo Internacional de Especialistas Independentes para Promover a Justiça Racial e a Igualdade no contexto da Aplicação da Lei foi estabelecido em julho de 2021 pelo Conselho de Direitos Humanos para fazer recomendações, inter alia, sobre as medidas concretas necessárias para garantir o acesso à justiça, responsabilização e reparação pelo uso excessivo da força e outras violações dos direitos humanos por agentes da lei contra africanos e pessoas de Descendência africana.

Relator Especial da ONU sobre Tortura e Outros Tratamentos ou Punições Cruéis, Desumanos ou Degradantes, Dr. Alice Jill Edwards, tem um mandato independente para examinar a proibição, prevenção, investigação e reparação de qualquer ato ou omissão que represente tortura ou outros maus-tratos, tanto de acordo com o direito consuetudinário quanto com os tratados. Ela realiza visitas aos países e se comunica com os governos sobre informações e denúncias sobre supostos casos de tortura.

Relator Especial da ONU sobre execuções extrajudiciais sumárias ou arbitrárias, dr. Morris Tidball-Binz é mandatado pelo Conselho de Direitos Humanos para, inter alia, examinar situações de execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias em todas as circunstâncias e por qualquer motivo, para responder efetivamente às informações que chegam a ele quando uma execução extrajudicial, sumária ou arbitrária é iminente ou ameaçada ou quando tal execução ocorreu; para intensificar o diálogo com os governos, inclusive por meio de visitas e comunicações aos países.

Para mais informações e pedidos da mídia sobre o Dr. Morris Tidball-Binz e a Dra. Alice J. Edwards, entre em contato com Alessandro Marra Manzione (alessandro.marra@un.org) e Yasmine Ashraf (yasmine.ashraf@un.org)

Para perguntas da mídia relacionados ao Mecanismo Perito, entre em contato com Rolando Gómez (rolando.gomez@un.org), Pascal Sim (simp@un.org) ou Mateus Brown (matthew.brown@un.org)

Para perguntas da mídia sobre outros especialistas independentes da ONU, por favor, entre em contato com Maya Derouaz (maya.derouaz@un.org) ou Dharisha Indraguptha (dharisha.indraguptha@un.org)

Compartilhe com os contatos!

Deixe um comentário

Promover a responsabilidade

Siga nossos passos e receba as últimas notícias de nossos ativistas, mecanismos e ações.